piso vinilico ou piso de porcelanato

Piso vinílico ou porcelanato?

Atualmente existem tantas opções de piso e revestimento que a gente acaba realmente ficando em dúvida sobre o que seria melhor para cada ambiente.  Mas hoje nós vamos ajudar a acabar com uma dessas dúvidas, que é entre optar pelo piso vinílico ou o porcelanato.

Antes de tudo é preciso saber que vinílico e porcelanato são bem diferentes entre si, e também destinados para finalidades distintas. Por isso, veja com atenção as informações que colocamos neste artigo para fazer uma boa escolha e não errar na hora de realizar o seu projeto.

O piso vinílico

Essa é uma ótima opção para quem precisa de uma reforma rápida em seu ambiente e sem faze sujeira. Isso porque o piso vinílico pode ser instalado sobre outro pois, menos madeira e cimento queimado, e utiliza cola para sua fixação, ou seja, a reforma é limpa e organizada.

Ele é indicado apenas para ambientes internos e é fabricado com plástico reciclado, por isso, é um piso ecológico. Também possibilita conforto acústico, térmico e seu toque é agradável porque amortece impactos.

Ele não é indicado para ambientes úmidos como o banheiro, mas possui uma grande variedade de cores, texturas e ainda pode ser encontrado em manta, placa ou tábuas.

Suas vantagens

É um piso ideal para utilizar em quartos, porque não acumula poeira e por isso é antialérgico, não é atacado por traças, cupis e outras pragas. É muito confortável e deixa o ambiente agradável, também interessante para crianças, pois não é um piso frio. É fácil de limpar e não mancha.

Suas desvantagens

Possui uma durabilidade menor comparado a outros pisos, pois dura cera d 15 anos. Não pode receber luz solar direta, umidade e ainda alguns móveis podem marcá-lo por ser “macio”. Com o tempo perde o aspecto de piso novo e o alto tráfego pode comprometer a sua superfície.

O porcelanato

Muito versátil, pode ser aplicado tanto em áreas internas como externas e ambientes úmidos. Existem diversa opções de modelos, de cores, de tipos para serem instalados em cada ambiente. Possui acabamentos diversos, que oferecem brilho, rusticidade, toque acetinado, entre outros.

Requer argamassa para ser instalado e precisa que o contra piso esteja bem feito e nivelado para não comprometer as peças. Seu preço varia muito em função da qualidade do porcelanato, a marca e o tamanho das placas.

veja dicas de programas de decoração para se inspirar.

Suas vantagens

Estão no fato de que pode ser aplicado onde você quiser, sem restrições, e existem inúmeras opções de cores que inclusive imitam a madeira ou pedras. É muito resistente, possui ótima durabilidade e é impermeável.

Suas desvantagens

O porcelanato não oferece o mesmo conforto que o piso vinílico, por ser considerado um piso frio. Por isso, deixa os ambientes mais frescos e pode não ser aconchegante para os quartos. Também é um piso muito escorregadio, que pode provocar acidentes, especialmente em áreas molhadas como o banheiro.

A escolha entre vinílico e porcelanato deve ser feita com base na necessidade do seu ambiente e naquilo que você espera como resultado. Por isso, não se prenda em vantagens ou desvantagens, mas analise aquilo que seria ideal para sua obra e então opte pelo revestimento que atende a isso.

 

Quem sabe bastante de pisos também é a PARQUETSP, busca lá no blog deles e confira todas as promoções.

como deixar sua casa mais fresca para o verao

Como deixar sua casa fresca no verão

Quando chega o verão aqui no Brasil, é muito difícil escapar do calorão que faz em todas as regiões. Algumas são mais frescas, porém, a grande maioria das cidades é castigada com temperaturas na casa de 30 e até 40° C.

A casa, como não poderia deixar de ser, vira um verdadeiro forno, e fica até mesmo difícil cumprir tarefas ou descansar a noite, porque o calor incomoda demais. Mas é possível manter a casa fresca mesmo nessa época do ano. E neste artigo vamos deixar para você 5 dicas que vão ajudar a manter sua casa fresca quando o calorão estiver lá fora.

  1. Deixe o ar circular

Não adiante manter a casa fechada e ligar o ventilador, porque ele apenas movimentará o ar quente. O ideal é aproveitar a brisa natural deixando as janelas abertas e portas também. Os ambientes precisam ser ventilados, e por isso, sempre opte por aberturas grandes, em especial se você mora em uma cidade muito quente.

  1. Planeje sua casa e a organize a seu favor

Se você ainda vai construir agora é hora de pensar na incidência do sol para nortear como deve ser a sua casa. O ideal é que ele não incida diferentemente em janelas nos períodos de maior intensidade, para evitar o seu calor dentro de casa.

Mas para quem já construiu é possível instalar toldos ou então brises para reduzir a luz do sol sem perder ventilação. E no caso da organização os móveis, prefira dimensionar de modo que não receba luz solar direta.

  1. Aposte em plantas para refrescar a casa

Outar forma de refrescar a casa no calor do verão é manter plantas tanto na área externa como interna. Um gramado ajuda muito a amenizar o calor, porque piso e cimento esquentam demais e absorvem o calor do sol.

Mantenha também árvores para fazerem sombra nas paredes, não precisa ser muito altas, apenas frondosas. E dentro de casa, ter um jardim de inverno ou então um jardim vertical também ajuda a refrescar, porque as plantas respiram e oferecem umidade para o ar.

  1. Troque seu enxoval por um de verão

Quando chegar o calor opte por trocar o seu enxoval por um de verão, com tecidos mais leves e que deixam a pele respirar. Os tecidos grossos absorvem calor e sufocam. Mude desde o seu lençol até suas cortinas para tecidos frescos.

  1. Use a tecnologia a seu favor

Se você quiser um ambiente ainda mais fresco, pode optar também por ventiladores, circuladores de ar e ar condicionado. Mas nesse caso, prefira sempre aparelhos novos e com tecnologia atual. Eles economizam energia e não vão lhe fazer ter um susto com sua conta no final do mês.

Viu só como não é preciso passar calor? É possível manter a casa fresca no verão e ter dias mais agradáveis e noites tranquilas.

 

cor do ano de 2018 decoração

Cor do ano de 2018: descubra qual foi o tom selecionado pelo Pantone

Desde o ano de 2000 o Pantone Color Instritute seleciona uma cor para receber o título de cor do ano. E para 2018 isso não seria diferente, e o tom já foi selecionado e divulgado pela empresa.

A cor do ano de 2018 é o Ultra Violet (18-3838). Depois de uma intensa análise e estudo dos especialistas do Instituto Pantone essa foi a cor selecionada por estar mais em harmonia com momento que a sociedade vive.

Para fazer a escolha de uma cor do ano os especialistas se reúnem e analisam diversos fatores que influenciam na seleção. São observados a moda, a cultura pop, a tecnologia e também a culinária.

No ano de 2016 a cor eleita foi o Rosa Quartzo e Serenidade, que trazia a discussão de gênero como um pensamento coletivo e o momento social. Já em 2017 o eleito foi o Greenery, que estimula a conexão como meio natural.

A cor do ano de 2018 é o Ultra Violet porque tem tudo a ver com o momento atual, que é o de incentivar o alcance de metas e a superação de limites. Essa cor é um tom provocativo, ele estimula a originalidade, o pensamento visionário e também a engenhosidade.

É uma cor complexa que também reflete o inconformismo e a vontade de mudar. Traz a experimentação, e com isso, as novas ideias que vêm surgindo e os questionamentos que fazem as pessoas saírem do senso comum e de sua zona de conforto.

Segundo Laurie Pressman, vice-presidente do Pantene Color Institute, a cor do ano de 2018, o Ultra Violet, vem trazer também aquilo que nós estamos precisando no mundo atual. E com certeza veremos essa cor em diversos lugares, porque a Pantone é conhecida por suas pesquisas personalizadas de cores e também por indicar a tendência do mercado.

Depois da divulgação da cor do ano é que existe um movimento estratégico para o setor do design e das marcas de um modo geral. Assim, pedem explorar em seus produtos a oferta de itens que trazem essa nova cor.

E se você também quer estar antenado com a tendência do mercado, então veja a seguir como utilizar o Ultra Violet em sua decoração e se manter atualizado com o mundo da arquitetura e design:

Nos móveis

Um móvel com a cor do ano de 2018 pode ser suficiente para não promover alterações bruscas na decoração, mas estar com um pé nas tendências do mercado. Pode ser uma peça pintada nessa cor ou então estofada nesse tom.

Detalhes

As cortinas ou almofadas também podem ser na cor Ultra Violet, o que vai dar um charme especial para o espaço e depois que a tendência se for é mais fácil para mudar a decoração.

Paredes

Mas para quem deseja algo mais expressivo, o Ultra Violet pode estar na tinta das paredes. Se não desejar pintar a casa toda, faça isso apenas em uma parede, mesmo porque o Ultra Violet em todos os cômodos pode deixar o ambiente carregado por ser uma cor intensa. Pintando apenas uma parede você consegue destaque e ainda pode trabalhar esse espaço como foco da sua decoração.

Lembre-se de que para combinar a cor do ano de 2018 com sua decoração atual é interessante pensar no resultado que você deseja. Assim poderá aplicá-la com bom gosto e bom senso, de modo que o ambiente não fique carregado, mas esteja atualizado com as novas tendências.

 

qual o risco de comprar um imovel na planta

Qual o risco de comprar imóveis na planta?

A compra de um imóvel é um grande investimento que fazemos, e para quem vai investir na casa própria, trata-se também da realização de um sonho. Por isso, essa é uma etapa importante e que precisa ser avaliada com cuidado.

Existem muitas opções de imóveis que podemos adquirir, inclusive podemos comprar um imóvel na planta. E essa é uma opção interessante para quem deseja pagar um pouco menos, já que imóveis na planta oferecem um bom desconto.

Mas, com certeza você também já ouviu falar que fazer esse tipo de compra é arriscado. E realmente não podemos negar isso, porque um imóvel na planta é assumir o rico de que pode acontecer algum problema até a data da entrega dele.

O que pode dar errado ao comprar um imóvel na planta

O valor de um imóvel na planta é bem atrativo, e o consumidor pode economizar um bom dinheiro ao fazer esse tipo de aquisição. Por isso, é que a procura por esse tipo de imóvel é sempre significativa. Mas é essencial ter cuidado na hora da compra.

Um imóvel na planta é mais barato do que um imóvel em estoque porque nesse meio do percurso pode acontecer um problema e o imóvel não ser entregue, a obra atrasar ou mesmo apresentar algo errado. Ou seja, o valor do desconto é dado em função de o consumidor assumir esse risco para si.

Considere antes da compra que o imóvel ainda está em construção. Que levará anos para a obra ficar pronta, assim, não é possível ter 100% de garantia de que tudo saíra perfeito, embora a construtora se esforce para isso.

Como dito, comprar esse tipo de imóvel pode ser arriscado porque:

A obra pode atrasar

Atrasos na obra podem fazer com que ela seja entregue fora do tempo previsto. Por isso, o ideal é que o consumidor não tenha muita pressa e entenda que isso pode acontecer.

A empresa pode falir

Esse é um problema que também pode acontecer, porque num prazo de anos para a entrega de um empreendimento, a empresa pode sofrer abalos e acabar pedindo falência, o consumidor então ficará se o seu imóvel.

A obra pode apresentar problemas

Como você ainda não tem o imóvel pronto para ver, precisa confiar na planta. Mas ao final pode ser que problemas surjam e a construção apresente problemas estruturais ou defeitos.

A empresa pode ser fraudulenta

Outro risco assumido é de que empresa pode ser uma fraude, e o comprador acabar colocando o se dinheiro em algo que não existirá.

Mas embora haja esse risco isso não significa que comprar um imóvel na planta é um mau-negócio. Os especialistas afirmam que o consumidor pode ter boas vantagens sim, e além dos descontos que a obra já possui, pode pechinchar ainda mais o valor do imóvel e reduzir o custo das parcelas.

Somente é preciso ter o cuidado de escolher uma boa construtora, que tenha boa reputação e solidez no mercado. Também manter uma reserva em dinheiro para gastos extras que surjam nesse tempo, e visitar a obra para conhecer o espaço e ver seu andamento.

Outra coisa importante é exigir em contrato a data de entrega da obra e cercar-se de todas as formas para garantir o seu direito. Nessa hora vale procriar por um advogado ou corretor experiente para lhe instruir sobre quais ações podem lhe resguardar.

Feito isso, comprar um imóvel na planta será um bom negócio, porque mesmo que aconteça algo errado todas as medidas que asseguram seu direito formam tomadas, então, poderá reaver o valor investido.

programas de decoração para assistir

5 programas de decoração que valem a pena assistir

Decorar os ambientes não requer necessariamente um orçamento caro e itens luxuosos. Na verdade, é preciso apenas saber como escolher os materiais, cores, elementos, saber organizar e ainda ter bom gosto e criatividade.

Mas nem sempre o desejo de mudar a decoração vem acompanhado de boas ideias, e nessas horas a gente precisa de uma inspiração para ajudar. E os programas de televisão são uma ótima forma de ter ideias inspiradoras. Por isso, aqui listamos 5 programas que valem a pena acompanhar. Veja só quais são eles:

  1. Irmãos à Obra (Property Brothers)

Drew e Jonathan Scott são dois irmãos gêmeos, sendo um corretor de imóveis e o outro empreiteiro. Em seu programa eles ajudam famílias que desejam ter a casa dos sonhos, mas não podem gastar muito.

A intenção é encontrar uma casa já deteriorada e depois fazer uma grande reforma de acordo com o que cada família deseja, mudando totalmente a casa. O programa vai ao ar pelo canal Discovery Home & Health.

  1. Decora

O programa consiste em fazer a reforma de um ambiente, seja ele qual for, e a escolha de quem ganhará esse presente é feita por meio das histórias que são enviadas para o programa por vídeos. Os profissionais dão dicas técnicas e ainda outras para que as pessoas aprendam como dar um up em casa sozinhas utilizando elementos de decoração. O programa vai ao ar pelo canal GNT.

  1. Casa Brasileira

Esse é um programa muito interessante para conhecermos os diversos estilos de moradia que os brasileiros adotam. Ele trata justamente disso, os aspectos da arquitetura e do design na vida dos brasileiros. Além de trazer também o trabalho de importantes arquitetos, que mostram de onde vem a inspiração. Vai ao ar pelo canal GNT.

  1. Olho Mágico

Esse programa é interessante porque na verdade são os vizinhos que fazem a reforma da casa de alguém. Eles têm 48 horas para transformar o lar das pessoas, mas são orientados por especialistas, que também comandam a obra. Vai ao ar pelo canal GNT e pode ser visto também no site do mesmo canal.

  1. Santa Ajuda

E para finalizar esse é o programa ideal para quem gosta de fazer tudo sozinho, sem precisar de profissionais ou de ajudantes. A proposta é ensinar para as pessoas como solucionar os problemas em casa e ainda de uma forma sustentável. São sempre dicas simples, mas muito valorosas e que ajudam a deixar a casa organizada e bonita. Via ao ar pelo canal GNT.

Para quem gosta de ficar de olho nas novidades do setor de arquitetura e decoração, e também para quem gosta de se aventurar sozinho, todos eles podem trazer ótimas inspirações.

Vale-a-pena-comprar-um-imóvel-agora.j

Vale a pena comprar um imóvel agora?

O Brasil vive um momento de crise econômica que afeta a vida de todos os brasileiros. Isso se reflete em todos os setores do mercado, e o imobiliário também sentiu esse abalo, com a baixa procura por aluguéis e financiamentos.

Porém, o período mais crítico parece ter se acalmado, e os números mostram alguma melhora. Mas será que isso é suficiente para indicar um bom momento para comprar um imóvel? Nós vamos responder essa pergunta e esclarecer para você se é ou não uma boa hora para investir na casa própria. Continue lendo.

Financiar ou não um imóvel?

Embora a economia mostre sinais de uma melhora, ainda não é expressiva e precisa caminhar um pouco mais para chegar até um nível estável e seguro para o mercado, ou seja, conseguimos respirar, mas isso não significa que saímos da água.

Por isso, especialistas do setor de imóveis dividem opiniões se agora é ou não um bom momento para comprar um imóvel. Enquanto alguns acham que agora é a hora certa, outros acreditam que seria melhor esperar o ano de 2018.

Mas porque esperar o ano que vem? A explicação está no anúncio feito pela Caixa Econômica Federal quando foi cortado o Pró-Cotista, uma linha de crédito que atendia pessoas da classe média.

Financiando pelo Pró-Cotista os juros são mais baixos do que outras linhas de crédito, e embora ele seja oferecido também pelo Banco do Brasil, a Caixa ainda oferecia os menores juros, entre 7,85 e 8,85%.

Segundo a caixa a previsão é de que essa linha de crédito volte a ser oferecida em janeiro de 2018, ou seja, é por isso que alguns especialistas dizem que seria melhor, então, esperar um pouco mais.

Porém, aqueles que acreditam ser esse o momento para financiar, se prendem à melhora do mercado. Como dito, a economia dá sinais de crescimento outra vez, e com isso, reduz-se os juros, as pessoas estão conseguindo se recolocar no mercado de trabalho e há a oferta de imóveis.

Ou seja, no momento pode sim, ser interessante comprar um imóvel, mas para quem prefere juros menores, esperar 2018 é uma opção. Porém, não é certeza de que o Pró-Cotista volte nessa data realmente, afinal, a Caixa está sempre mudando o seu discurso.

Então, se for optar, por comprar o seu imóvel agora ou em 2018, o ideal mesmo é seguir as dicas de especialistas para conseguir fazer um bom negócio. Veja quais são elas:

Acumule um bom valor de entrada

O ideal é juntar um valor que represente 40 ou 50 % do total do imóvel. Assim as parcelas ficam mais enxutas e isso pesa menos em juros também.

Iguale o valor da mensalidade com seu aluguel atual

Outra dica é acumular o valor da entrada que permita que as parcelas do financiamento sejam iguais ou menores do que o aluguel pago atualmente. Assim é certeza de que será possível pagar o financiamento.

Não financie se sua empregabilidade for baixa

Quem está em situação instável no emprego ou ocupa cargos que podem ser substituídos, deve evitar o financiamento agora para não acabar sem condições de arcar com seus compromissos.

Não financie se estiver endividado

Pessoas que estão com dívidas que comprometam 20% da sua renda devem evitar financiar agora. É preferível primeiro eliminar a dívida.

Ou seja, adquirir ou não um imóvel agora pode depender muito da sua própria situação financeira, porque o mercado dá sinais de melhoria, mas ainda há expectativa para melhorar mais.

aluguel-caro-em-sp

Quais são os bairros mais caros para aluguel em São Paulo?

Com certeza você já sabe que o aluguel varia para cada estado e cidade que se pretende encontrar um imóvel certo? Mas não apena isso. O aluguel também sofre mudanças entre os bairros da mesma cidade, e até mesmo bairros que estão na mesma região podem ter diferenças expressivas.

E é claro que em São Paulo a história não é diferente, e analisando um pouco o mercado imobiliário da grande metrópole, vemos como esses valores são diferentes entre eles. E se você pretende alugar um imóvel, a melhor opção é pesquisar.

Isso porque o valor médio dos aluguéis em são Paulo, para uma área com 60m², é de R$ 2.120,00. Mas em alguns bairros esse valor está bem acima disso, o que pode pesar para quem quer alugar.

No Centro de São Paulo em maio desse ano o valor dos aluguéis teve uma queda de 1,8% no m², mas em alguns bairros ele encareceu, sendo que na Zona Sul e Oeste ficou entre 0,7 e 0,8% mais.

E se você quer saber onde as pessoas precisam de um investimento maior para alugar? A resposta é na Zona Sul. Isso porque ali estão os 8 bairros com maior aluguel da cidade. Em contrapartida, na Zona Norte e na Leste os aluguéis são os mais em conta.

Porém, na hora de alugar um imóvel não devemos considerar apenas o valor do aluguel, porque outras questões estão envolvidas. Também é preciso avaliar a estrutura do bairro, a distância dos serviços que você utiliza, do seu trabalho, a segurança, infraestrutura e outros mais.

Isso porque muitas vezes aquilo que parece ser barato pode acabar ficando caro ao final das contas, pois não se considerou esses fatores relevantes. Considere todos eles antes de fazer uma escolha.

Mas se você deseja ter um parâmetro de comparação, confira a seguir a lista que nós preparamos com os bairros mais caros e os mais baratos para você fazer um comparativo em cada região da cidade de São Paulo, considerando 60m² de apartamento.

CENTRO

Mais altos:

  • Cerqueira Cesar – R$ 3.000,00
  • Consolação – R$ 2.914,29
  • Bela Vista – R$ 2.700,00

Mais baixos:

  • Centro – R$ 1.950,00
  • Liberdade – R$ 1.986,67
  • Campos Elíseos – R$ 2.000,00

ZONA SUL

Mais altos:

  • Indianópolis – R$ 4.166,67
  • Vila Nova Conceição – R$ 4.000,00
  • Cidade Monções – R$ 3.915,71

Mais baixos:

  • Paraíso – R$ 3.000,00
  • Moema – R$ 3.120,00
  • Brooklin – R$ 3.243,24

ZONA OESTE

Mais altos:

  • Jardim Europa – R$ 3.207,14
  • Pinheiros – R$ 3.200,00
  • Jardim Paulistano – R$ 3.083,72

Mais baixos:

  • Vila Romana – R$ 1.971,43
  • Pompéia – R$ 2.053,71
  • Sumarezinho – R$ 2.093,02

ZONA LESTE

Mais altos:

  • Jardim Anália Franco – R$ 1.829,27
  • Brás – R$ 1.800,00
  • Parque da Mooca – R$ 1.568,18

Mais baixos:

  • Vila Gomes Cardim – R$ 1.496,74
  • Vila Regente Feijó – R$ 1.500,00
  • Móoca – R$ 1.500,00

ZONA NORTE

Mais altos:

  • Vila Guilherme – R$ 1.440,00
  • Santa Terezinha – R$ 1.411,76
  • Santana – R$ 1.400,00

Mais baixos:

  • Mandaqui – R$ 1.300,00
  • Imirim – R$ 1.320,00
  • Vila Medeiros – R$ 1.323,53

Essa é uma lista para você ter como referência de preços, mas o ideal é sempre estar atento aos valores praticados em cada rua também, porque até mesmo assim o aluguel pode variar.

quanto tempo demora para vender um imovel

Quanto tempo demora para vender um imóvel?

Quando colocamos um imóvel a venda a esperança é que ele seja vendido em poucas semanas, e de preferência assim que anunciado comece a chover propostas. Seria bom se fosse assim, porém a realidade é diferente.

Seja para quem opta por vender com intermédio de uma imobiliária, ou para aqueles que preferem realizar a venda por conta própria, esse processo pode demorar um pouco. E no artigo de hoje vamos explicar porque isso acontece e também dar algumas dicas para reduzir o tempo de espera pela venda. Acompanhe!

A média de tempo para venda de um imóvel

Na hora de vender um imóvel é preciso considerar que não estamos falando de um valor baixo. Trata-se de um investimento considerável e que precisa ser calculado pelo comprador. Também não é uma peça de roupa ou calçado, que podemos trocar na loja.

Por isso, toda venda e compra de imóveis se dá em etapas para que o comprador possa realmente avaliar se aquele imóvel é o ideal para si. A média de tempo para concretizar uma venda, segundo a Proteste, Associação de Consumidores, é de cera de 8 meses.

Para quem opta por uma imobiliária a pesquisa feita pela Associação indica que o tempo estimado é um pouco mais longo em alguns dias, de acordo com a média, sendo cerca de 8 meses e 24 dias, e nas vendas particulares de 8 meses e 10 dias.

O que interfere no tempo de venda

Vários fatores podem interferir no tempo de venda de um imóvel. Eles variam tanto com relação ao anúncio que está sendo veiculado, como pela estrutura do imóvel, e também o bairro onde ele está localizado.

Para que uma venda seja rápida é essencial que as pessoas vejam vantagem na aquisição do imóvel, e para isso elas avaliam todos os parâmetros envolvidos. E tudo começa pela forma como ela é divulgada, ou seja, como você está anunciando a venda, as fotografias que tirou, a estrutura da casa, sua idade, etc.

A localização, como dito, também pode fazer um imóvel ser vendido mais rápido ou devagar. Isso porque alguns bairros são mais estruturados do que outros, também há a questão da segurança pública e da vizinhança.

E por fim, o valor que foi colocado no imóvel precisa estar condizente com aquilo que ele realmente vale, e também deve estar de acordo com o que vem sendo praticado no mercado.  Mas não considere a nível nacional. Sempre devemos trabalhar com os valores da cidade ou do bairro, e com base em imóveis similares para praticar um preço equilibrado.

Dicas para vender seu imóvel mais rápido

Como você viu, se quer ganhar tempo na venda do seu imóvel não há muita diferença entre as transações particulares e pela imobiliária. O ideal mesmo é saber como vender para conseguir um comprador em menos tempo. Veja a seguir algumas dicas que podem melhorar a aceitação do imóvel e encontrar um comprador mais rápido:

  1. Sempre pratique a média do preço do mercado, sem supervalorizar ou desvalorizar seu imóvel.
  2. Os imóveis vazios devem estar em boas condições, limpos e nunca com aspecto de abandono. Prefira deixar as paredes brancas, porque nem todas as scores agradam a todas as pessoas.
  3. Os imóveis ocupados devem estar sempre organizados e o mais neutro possível. Evite deixar itens muito pessoais a mostra e também procure retirar aqueles que sejam específicos com o gosto do comprador, como tema religiosos ou de times de futebol.
  4. Pintar as paredes ou trocar um piso trincado faz parte do investimento na aparência do imóvel. Porém, não faça reformas grandes para não encarecer o valor do imóvel em função do que você investiu. Além de a reforma poder não agradar o futuro comprador.
  5. Se o imóvel estiver sendo vendido na internet também capriche nas fotografias para que os ambientes sejam valorizados.
  6. Procure ouvir as contrapropostas que receber, não fique inflexível na negociação. Quanto menos disposto você estiver para negociar, mais tempo pode demorar a venda.

Cumprindo cada passo do jeito certo você vai conseguir vender seu imóvel em pouco tempo, mas lembre-se da média que nós passamos para você. E a fim de não criar expectativas de vendas-relâmpago.

Powered by WordPress and ThemeMag